quarta-feira, 3 de junho de 2009

Mãe aos 30 - do relevo às planilhas

Outro dia, li uma crônica ótima do Afonso Romano de Sant’Anna sobre chegar aos 30 anos. Entre outras coisas, ele dizia que aos 30 deixamos de viver no espaço e começamos a viver no tempo.

E ontem, enquanto me olhava no espelho e conversava em silêncio com alguns relevos-surpresa – dermatológicos e psíquicos, of corse -, caiu uma ficha besta: finalmente, entendi por que raios estou sempre atrasada, desde que minha filha nasceu. Primeira razão: mães cuidam de tudo. Roupas, acessórios, mochilas, comida, encrencas em geral. Como o Projeto Maternidade é coisa recente na minha vida, não tive ainda a habilidade de reorganizar meu tempo de modo a fazer caber o mundo de providências e a enxurrada de “crises” a tratar, das mais banais às dramáticas. Quero ser uma mamma italiana executiva descolada carinhosa eficiente bela e chique, mas alguma coisa me diz que me faltam as planilhas.

Isso, planilhas. Gosto de pensar que é isso que me falta, porque o relevo (relevante!), afinal, já tenho e ninguém tasca. Acho.

6 comentários:

João o Astronauta disse...

hahahahahaha..
hum, pelo visto você deve conhecer bem poucas mammas italianas.
Eu conheço duas, ex-chiques (a maternidade muda até as italianas), carinhosas e eficientes sim, e um pouco neuróticas tambem.
De perto ninguem é normal.

Mas se vc achar a tal "planilha", please, manda pra mim, estou muito interessada.

bjo. Flavia

Angélica disse...

olha Bibi, realmente a vida com a maternidade muda e eu diria que da "água para o vinho". Tam bém estou sempre atarefada demais e preocupada demais (ah! e cansada demais também). Será que a culpa é nossa, por desejarmos a perfeição? Afinal, o que temos de mais importante, como mãe, nem sequer sonha com essas nossas "neuras". No entanto, aproveito a oportunidade e reitero, com clamor, pelas planilhas salvadoras, rsss ...
Beijos
P.S.: estava com saudades, dona sumida ...

Anônimo disse...

Sou sua leitura assídua e mãe recente. Acho que realmente falta tempo para preenchermos todos os requisitos de mãe perfeita, mulher chique e elegante, profissional bem sucedida e esposa que ainda dá conta recado, não necessariamente nesta ordem.
Por outro lado, quando olho para trás, vejo como sou capaz de fazer tantas coisas a mais após ter me tornado mãe sem, contudo, ter alterado tanto assim as minhas qualidades anteriores. Quanto mais atribuições, maior o tempo fica.
A cada dia aprendo a ser menos exigente comigo mesma e tento admirar a minha capacidade de equalizar todas as minhas tarefas.
Se me permite a sugestão, tente ver a vida sob este prisma, tão mais simpático àquelas que, como nós, se atreveram nesse mundo ensandecido da maternidade.
boa sorte e parabéns pelo blog. Me identifico e te admiro1

bibi disse...

Queridas, adorei os comentários de vocês, obrigada!
Realmente, a mãe recente Anônima tem razão. Também sinto assim, a maternidade espicha a gente e realizamos muito mais coisas; perceber isso alivia um pouco as tensões.
Beijos!

Anônimo disse...

Bibi, Sabe o que eu acho?? Acho que essas maes que vivem impecáveis deviam brincar mais e passar menos tempo se arrumando!! Definitivamente nao dá tempo de fazer tudo, entao quando eu vejo uma mae impecavel o tempo todo eu desconfio... Bem, é só o que me resta, hahaha!!!
ps: Ah, e já incorporando a mae italiana (OU judia???), ja tive uma ideia quanto ao que vou explicar aos meus filhos quando crescerem e virem as fotos: Filhos, mamae cuidava de tudo sozinha, e brincava tanto, que nao dava tampo pra se arrumar!!!
hahaha!! Que tal??
beijos e parabens pelas cronicas, que eu amo amo amo!!!

bibi disse...

HAHAHAHA!
Eu adorei o seu comentário, Anônima! Perfeito: desconfiar das mães impecáveis é justo e oportuno.
Kkkkkkk!

E ficar pensando nas explicações que vc vai dar quando os filhos olharem as fotos... isso me consola, não sou a única mãe paranóica aqui!
;o)
Obrigada por tudo, beijos!